03 de Dezembro de 2019

Festival Caixa Fado

Amália Rodrigues, também conhecida como a Rainha do Fado, foi a grande homenageada da V edição do Festival Caixa Fado realizado esta Quinta-feira, no Cine Atlântico, em Luanda. Este tributo não foi ao acaso, uma vez que 2019 e 2020 figuram-se dois anos importantes para os amantes do fado e da sua embaixadora, Amália Rodrigues, que este mês de Outubro assinala-se os 20 anos desde que o seu corpo passou a repousar no Panteão Nacional em Portugal e em Julho de 2020 celebra-se o centenário do seu nascimento. A noite foi dividida em dois momentos. O primeiro que começou, precisamente, às 21 horas, foi inicialmente abrilhantado com um show de guitarra à portuguesa, por Chaveiro Solo.

Em seguida, o silencia pairou, quando no negrume da noite que envolvia o pavilhão do Cine Atlântico, Mel trajada de vestes pretas, que contrastavam com o louro do seu cabelo subiu ao palco, para interpretar a primeira canção de Amália Rodrigues, "Rua do Capelão". A fadista ainda cantou "Lá vai Lisboa". A organização do evento mereceu muitos elogios e este facto foi visível pela maneira plausível como os artistas intercalavam as performances, como foi o caso da aparição de Patrícia Faria, enquanto Mel ainda estava em palco, cantando em uníssono "Conta Errada".

Intercaladamente, Patrícia deu espaço a Tânia Oleiro, intérprete das canções "Lisboa Antiga Lá" e "barco Negro", este último em dueto com Pérola, que emotivamente cantarolou "Malhão" e "Gaivota" com Lina. No primeiro painel, canções como "Maldição", "Uma Casa Portuguesa", também foram ouvidas. Segundo painel, depois de um intervalo de cerca de 20 minutos, ouviu-se uma chuva de guitarrada e, sequencialmente, Cidália Moreira cantarolou "Primeiro Amor", "Ardina" e "Ternura dos 40". Por sua vez, Paulo Flores, um dos cantores mais esperados da noite, trajado de um bubu predominantemente branco, com emoção cantou "Casa da Mariquinhas", "Eu Sou Lisboa", "Nem às Paredes Confesso".

Outro cantor, igualmente muito esperado, foi Marcos Rodrigues, que, juntamente com Paulo Flores arrepiou o público quando cantou "Loucura" e individualmente quando expeliu a sua voz do diafragma, sem qualquer dificuldade, para cantar "Tempo" e "Poema Desfeito". Para encerrar o evento, os músicos todos uniram-se e em uníssono entoaram "Luanda Menina e Moça", do título original "Lisboa Menina Moça".




fonte: O PAÍS

17 de Outubro 2019

IVA - Imposto sobre o Valor Acrescentado

Implementação do IVA

15 de Novembro 2019

Actualização do Preçário

Actualização de Comissões e Despesas